Centro de Ciências Exatas e da Terra

Dia 08: Defesa de Dissertação – PPGG

Dia 08: Defesa de Dissertação – PPGG

Dia 08, às 09:00, a discente Carla Gabriela do Lago Montenegro fará sua DEFESA DE DISSERTAÇÃO, cujo título é “ATIVIDADE ECONÔMICA DAS ESPOSAS DE CIVIL E MILITAR DA UNIÃO CONSIDERANDO SUAS CARACTERÍSTICAS MIGRATÓRIAS, BRASIL, 2010”. Toda a apresentação será transmitida no canal de YouTube do CCET, Clique Aqui para assistir.

PPGG – Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica.

Banca Examinadora:

Prof. Dr. Moab Praxedes gomes
Prof. Dr. David Lino Vasconcelos
Prof. Dr. Pedro Xavier

Resumo:

A Bacia de Barreirinhas encontra-se situada na porção central da Margem Equatorial Brasileira (MEB). Sua origem está ligada ao processo de rifteamento e fragmentação do Gondwana Oeste no Terciário Inferior, quando a litosfera continental no norte da Bacia de Barreirinhas foi soerguida e fraturada por movimentos transformantes ao longo da Zona de Fratura Romanche (ZFR). Essa bacia foi regida por um regime tectônico misto, ou seja, esforços distensionais, decorrentes da separação do Supercontinente, associados a esforços cisalhantes. Um dos objetivos é investigar como a ZFR vem influenciando a história evolutiva e as principais estruturas da Bacia de Barreirinhas, além de favorecer o aporte de conhecimento sobre a região por meio da construção de modelos geofísicos e geológicos, que retratem estruturalmente e estratigraficamente a arquitetura interna das porções offshore e onshore da bacia. Para isso, foi feita a interpretação de oito seções sísmicas 2D em conjunto com informações de cinco perfis geofísicos de poços. No intuito de auxiliar no processo de interpretação, atributos sísmicos foram utilizados para realçar tanto horizontes sismoestratigráficos, quanto feições estruturais. Os resultados mostram o predomínio de falhas lístricas de rejeito normal na sequência rifte e a presença de cinemática transtensional, representada por falhas em flor negativa, decorrente da movimentação dextral durante a separação da América do Sul e África. Nas porções mais distais da bacia emersa, observa-se que reativações da ZFR influenciaram desde estruturas do Aptiano até o Holoceno, e tem, portanto, um forte impacto na história evolutiva da MEB, em particular, a bacia de Barreirinhas.